Make your own free website on Tripod.com

Realidade Plena - Ano I - numero III

parasha.jpg

Home
Shalom
Certos Detalhes da Vida
Histórias Reais
Parashá da Semana
Galeria Imortal
Curiosidades
Pagina do Leitor
Favorite Links
Contato
Arquivos

Parashá da Semana - Vaiykrá

lubavitch.jpg
Rebbe Lubavitcher

    Vaiykrá

     

    • Você Sabia (curiosidade)
    • Leitura da Parashá
    • Resumo da Parashá

     

     

     

     

    Você sabia que ?

    • Os sacrifícios da época do Templo foram substituídos pela oração nos templos atuais.
    • A oração de Shacharit substitui o sacrifício matutino diáro. A oração de Minchá substitui o sacrifício vespertino diário. A oração de Maariv substitui o queimar das carnes, dos ossos e das gorduras sobre o altar, que ocorria à noite.
    • O sacrifício Chatat que era trazido por uma transgressão custava bem menos do que um Ahsam que era trazido por uma dúvida de transgressão. Pois o homem por natureza se arrepende mais facilmente de um pecado que com certeza cometera, do que de um pecado que existe alguma dúvida se cometera.
    • Não é o tamanho e o valor do sacrifício que importava a D"us, mas sim a integridade do coração da pessoa que o trazia.

     

    Leitura da Parashá

    Queimando o Ego

    A Parashá desta semana, Vaicrá, (Levitico) discute os vários tipos de sacrificio (Corban - que significa "aproximação de D-us"), os quais o povo judeu foi ordenado a oferecer durante os tempos do Tabernáculo e depois no Templo Sagrado. Na descrição dos primeiros tipos de sacrifício, a madeira usada para o fogo no altar é mencionada inúmeras vezes.

    O Talmud relata que quando os judeus retornaram para Israel do Exilio da Babilônia, após a destruição do primeiro Templo Sagrado, eles não acharam nos depósitos do Templo nenhuma madeira para o altar. Várias familias reuniram-se e doaram madeira. Depois, a estas famílias foi dada a honra permanente de prover madeira para o altar. Os sábios decretaram que os dias nos quais a madeira era doada (anualmente) deveriam ser comemorados como um dia de festa pelas familias que o faziam naquela dota.

    Curiosamente, existe outra ocasião na qual as comemorações estão ligadas à madeira. A Mishná declara: "Não há festividade tão importante para todo Israel como o 15° dia de Av e Yom Kipur." Uma das razões para a alegria em 15 de Av era que este dia marcava o fim da derrubada (anual) das árvores, cujos madeiras seriam usadas para queimar os sacrificios.

    O que há de tão significativo sobre a madeira para o altar que torna o dia de sua doação ( e o 15 de Av) um dia de festa e de alegria para toda a nação judaica?

    A madeira era apenas o combustível para o fogo que consumia os sacrifícios, porém tinha um

    papel muito profundo no funcionamento espiritual do Templo Sagrado, e era um elemento essencial dos próprios sacrifícios. Mas, para compreender a importância da madeira, nós devemos primeiro entender o significado dos sacrifícios. De acordo com Nachmanides, um indivíduo que trazia uma oferenda tinha de ter em mente que "o animal estava sendo abatido em seu lugar, isto é, somente graças à boa vontade Divina, D-us aceitou o sacrifício do animal em troca de sua própria vida." Existem vários tipos de oferendas e sacrifícios, e os pensamentos que acompanhavam cada uma delas variavam. Por exemplo, quando uma pessoa trazia uma oferenda por ter cometido um pecado (inadvertidamente), ele deveria meditar e refletir mais sobre seu próprio arrependimento e fazer uma auto-avaliação de seus atos errados enquanto que as oferendas de agradecimento despertavam um profundo amor e gratidão por D"us. Cada oferenda deveria ser trazida com sua apropriada reflexão e meditação. Era o ato dramático do sacrifício que despertava o coração de quem o trazia - pois os fatos e ações da vida é que nos levam a reflexão

    Porém, acima de tudo, o sentimento e intenção mais importantes no momento do sacrifício deve ser nossa auto-anulação perante D-us; entregar-se totalmente a Ele e Sua vontade. Este auto-sacrificio absoluto transcende quaisquer emoção ou motivação pessoal. Só após isto ser alcançado, o individuo pode expressar as emoções despertadas pela sua oferenda particular (como gratidão a D-us, arrependimento, etc).

    Este auto-sacrificio era expressado e representado pelo queimar da madeira no altar. A Torá compara o homem com a árvore. A queima da madeira simbolizava a disposição para sacrificar, o seu próprio ego, a si próprio, sem considerações pessoais, pois, ao oferecer um sacrifício, o doador pode sentir um certo grau de satisfação, proveito ou orgulho pessoais por este ato. Já a madeira que era queimada totalmente, lembrava a ele de que não deveriam haver outros motivos escusas para o sacrifício. As celebrações relativas à provisão de madeira para o Templo (altar), representavam, assim, o mais puro e sublime objetivo dos próprios sacrificios - a auto-anulação perante D"us!

     

    Resumo da Parashá

    • A Parashá desta semana Vaicrá, é a primeira parte no livro Leviim (Levíticus). Ela discute os vários tipos de sacrifícios o povo judeu foi ordenado a oferecer durante os tempos do Tabernáculo e depois no Templo Sagrado. Na descrição dos primeiros poucos tipos de sacrifício, a madeira usada para o fogo no altar é mencionada inúmeras vezes.

    • O Talmud relata que quando os judeus retornaram para Israel do Exílio da Babilônia, após a destruição do primeiro Templo Sagrado, eles não acharam madeira para o altar no depósito do Templo. Várias famílias reuniram-se e doaram madeira. Depois, a estas famílias foi dada a honra permanente de prover madeira para o altar. Os sábios decretaram que os dias quando a madeira era doada deveriam ser comemorados como um mini Festival pelas famílias.

    • Curiosamente, existe outra ocasião na qual as comemorações são ligadas a madeira. A Mishná declara: "Não haverá outro dia sagrado tão importante para todo Israel como o 15º dia de Av e Yom Kipur." Uma das razões para a alegria em 15 de Av era que este dia marcava o fim da colheita das árvores, cujas madeiras seriam usadas para queimar os sacrifícios.

    • O que há de tão significativo sobre a madeira para o altar que é ordenadamente doada no real dia sagrado, e sua colheita que trazia tal tipo de alegria para toda a nação judaica?

    • A madeira não foi piedosamente consumida pelo fogo ao colocar os sacrifícios para serem queimados; Isto representa a mais profunda lei na função espiritual do Templo Sagrado, e era um elemento essencial dos próprios sacrifícios.

    • Mas, para compreender a importância da madeira, nós devemos primeiro entender o significado dos sacrifícios. De acordo com Nachmanides, um indivíduo que trazia uma oferenda tinha de ter em mente que o ser animal estava sendo abatido em seu lugar. Somente, por meio da boa vontade divina, Ele aceitou o animal em troca.

    • Lá existiam vários tipos de oferendas, e os pensamentos que acompahavam cada uma delas variavam. Por exemplo, quando uma pessoa trazia uma oferenda de pecado, ele era requerido a habitar em pensamentos de arrependimento e fazer reparações por seus atos errados, enquanto que as oferendas de agradecimento despertavam um profundo amor por D-us. Cada oferenda era para ser trazida com sua apropriada reflexão e meditação.

    • Mas, o pensamento mais fundamental de todos, não importando qual oferenda fosse trazida, era giving ourself totally over D-us. Este auto-sacrifício absoluto transcendia quaisquer emoção ou motavição pessoal. Só após este requerimento ser encontrado, pode o indivíduo ir expressar as emoções exigidas pela sua oferenda particular.

    • Este auto-sacrifício era expressado ao queimar a madeira no altar. A Torá compara o homem com a árvore. A queima da madeira simbolizava a disposição para sacrificar a si próprio sem considerações pessoais

Parashá extraida  do site  : http://www.beitlubavitch.org.br/

judeu.jpg
divulgação

Copyright ©  all rights reserved 

Ardath © 2005.

Nome
Email :
Comentários :